Comportamento Entretenimento

10 lições que podemos aprender no BBB

Dia 25 de janeiro começa mais uma edição do Big Brother Brasil, a lista de participantes do BBB21 só será confirmada no dia 19 de janeiro, mas há rumores que algumas celebridades bem conhecidas na internet venham a fazer parte dessa edição. E se depois de vinte e uma edições você ainda torce o nariz para o reality show e acha que ele não ensina nada, fique atento a essas 10 lições que podemos aprender no BBB e levar para nossa vida.

OBS: todas as imagens de referência serão do BBB20, pois é o Big Brother que até quem não costumava assistir reality viu – BBB20 o grande entretenimento do brasileiro na pandemia.

1 – Tenha seu próprio estilo, seja referência

O prêmio pode ser importante para muitos participantes, mas a quantidade de Brothers que mesmo sem ganhar o BBB alavancaram suas carreiras e ganharam muito mais dinheiro do que os vencedores do prêmio é cada vez mais significativa. Mas como aplicar isso na vida? Bem vivemos cada vez mais na Era Digital, e a pandemia só acelerou ainda mais esse processo. Vender o que você faz ou quem você é e o que tem para oferecer é importante, mas só será relevante se for algo seu, próprio. Não tenha medo de ser você.

Manu Gavassi – BBB20 sem medo de ousar no estilo

2 – Foco no objetivo – que não precisa ser o mesmo dos outros

Lembra quando todo mundo entrava no BBB querendo levar o grande prêmio? Pois é, mas o prêmio é só um. Só uma pessoa vai levar ele para casa, por isso quando alguém entra com outro objetivo já aumenta suas chances de realizar algo nessa grande vitrine que é o Big Brother. Na última edição (a com melhor repercussão para os participantes, mesmo durante a pandemia) tivemos muito gente conseguindo alavancar sua carreira, fazer parcerias, novos projetos. Assim como na vida real o seu objetivo pode ser grande, mas não precisa igual ao dos demais.

Thelma, Babu, Rafa, Mari e Manu – BBB20

3 – Sozinhos podemos ir mais longe sim

Aquela máxima do “sozinhos vamos mais rápidos, juntos vamos mais longe” não tem funcionado no BBB, e sinto que isso também está acontecendo na realidade. Formar casal tem sido uma estratégia bem furada para quem quer ganhar jogo, não pelo casal em si, mas porque algumas pessoas esquecem que é um jogo individual. Quando você forma casal o público para de olhar individualmente para o participante, e começa a analisar o comportamento de ambos e como se relacionam um com o outro.

Há casos (raros) de casais que ainda estão juntos, porém não perder a própria individualidade é essencial para permanência no jogo. No caso das amizades a mesma coisa acontece, quem consegue se relacionar sem se aprisionar ou fechar os olhos para os erros do seu grupo tem mais chance de evoluir no jogo. E na vida também não é assim? Feliz de quem consegue ir longe sozinho e pode optar por companhia, sem se prender a relações tóxicas de qualquer tipo.

Thelma entrou no jogo para ganhar – levou o prêmio, fez amizades ( e soube a hora de se afastar de outras) e de quebra conquistou o Brasil

4 – Quem perde (às vezes) também ganha

De todas as edições do BBB muitos dos primeiros colocados sumiram, foram esquecidos, perderam tudo, escolheram viver mais reclusos, ou não tiveram sucesso. Já segundos, terceiros e até décimos colocados tiveram carreiras de sucesso – mudaram de profissão, mudaram de vida, sabendo tirar proveito das oportunidades que apareceram no caminho.

Uma porta se fecha e outra se abre? Às vezes é uma janela, a vida muitas vezes não é sobre olhar o que foi perdido, mas o que foi encontrado no caminho.

Nessa foto você vê dois ex BBB? Eu vejo dois contratados da Globo! Babu e Rafa fizeram tanto sucesso que ganharam um contrato

5 – Lugar certo no tempo certo

Quantas coisas absurdas aconteceram nos BBBs! Inaceitáveis nos dias de hoje – e passamos um pano absurdo naquela época (e olha que algumas dessas nem fazem tanto tempo). Por outro lado, quantas pessoas incríveis foram julgadas e mal compreendidas porque infelizmente não era a época certa. Quantos babacas foram exaltados, quantas vezes fizemos pessoas estúpidas famosas. Bem é o preço que se paga, infelizmente na vida isso também acontece, às vezes somos a pessoa certa, no tempo errado. Pena que o tempo não volta. Sorte de certos idiotas que chegam no lugar e tempo certo.

Odiados e eliminados – a queda foi um a um. Machistas já passaram, mas não no BBB20

6 – A máscara vai cair

Ninguém que entre com personagem montado consegue permanecer assim por mais de um mês – nem sendo ator. São vinte e quatro horas de câmeras gravando todos teus movimentos, falas, gestos… A pior ideia que alguém pode ter é entrar fazendo personagem e achando que não vai ser desmascarado. Obviamente é o tipo de coisa que o público mais ama ver – treta à vista. Nesse caso só posso dizer uma coisa: a vida (reality) imitando a vida (real). O alívio nessa hora é saber que mesmo que demore a máscara caí e normalmente o que tem por baixo é bem feio.

Manu desmascarando Victor Hugo é meu momento favorito do BBB20

7 – Autoconhecimento é o caminho

Não importa se você tem um milhão de seguidores, ou se você é apenas uma pessoa anônima, você se conhecer é o que vai te levar mais longe. Chega a ser engraçado quando uma pessoa que é considerada “planta” pede apoio da “torcida”. Na verdade essa pessoa apenas tem sua autoimagem distorcida. O cara mais tosco com autoconhecimento da sua “tosquice” tem mais chance de ir longe que o que outro bancando ser o que não é. E aqui não estou falando do que usa máscara – mas do que se julga bom moço sem o ser.

Vamos pegar a trilha de quem foi mais longe, sejam bons ou maus, o autoconhecimento de suas forças e fraquezas foi o que os levou mais longe que os outros. Vida real.

Manu e Prior BBB20 – no quarto branco ou território neutro?

8 – O melhor jogador é o melhor observador

Ninguém aguentava o Pyong achando que era o maior estrategista do jogo e se gabando por isso. Esse fator fez ele deixar o público cansado de início. É como aquele aluno que acha que sabe a resposta de todas as perguntas, sendo que o professor nem fez a pergunta ainda. Na vida você não precisa ter todas as respostas, mas ouvir as perguntas que estão sendo feitas e entender o contexto que você está e só assim determinar a melhor maneira de agir.

Thelma (a vencedora da edição) e Pyong

9 – Escolha o lado de quem está do seu lado

Jurar lealdade na primeira semana da amizade confinada é a maior bobagem que pode existir, ainda mais quando você nunca é a prioridade daquele grupo. Quando a “comunidade hippie” caiu já fazia tempo que Thelma estava sendo excluída por suas amigas Marcela e Gizelly, e encontrou apoio em Babu, Rafa e Manu. Na vida às vezes temos que desejar tudo de bom, mas dar adeus para quem não nos ajudou a crescer e abraçar quem nos ajuda a chegar ao topo. Sua vibe atrai sua tribo.

Muita vibe num quarteto: Rafa, Thelma, Manu e Baby

10 – Confinados sim, vivendo também

Enquanto vários BBBs ao redor do mundo (que já estavam acontecendo) foram cancelados por causa da pandemia, o Big Brother Brasil se manteve firme. Os participantes foram avisados ao vivo da pandemia do Covid-19, ficaram incrédulos, alguns sem acreditar que aquilo seria real. Muitos espectadores sentiam inveja dos participantes por estarem confinados no único ambiente onde festa, academia e piscina eram permitidos no começo da pandemia. Mas mais que isso, em todas as edições do BBB os participantes sempre estiveram confinados e era isso que os diferenciava de nós. Dessa vez estávamos na mesma situação, claro, nós assistindo a telinha.

Quando o reality acabou ficou um vazio, porque depois de tanto tempo o programa terminou e a pandemia seguiu. Dia 25 de janeiro começa a edição 21 do BBB – e estamos ansiosos. Apesar de nosso isolamento estar cada vez menor, ainda estamos em pandemia (ainda sem vacina). Nossa vida não voltou ao normal, mas aprendemos viver um tipo de vida que só era possível imaginar se estivéssemos na casa mais vigiada no Brasil. Somos nós, participantes do nosso próprio BBB 20/21 pandêmico – buscando o prêmio mais cobiçado – a liberdade de volta.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: